Imagem capa - Música como caminho do sentir por Camila D'Orazio
Psicoterapia

Música como caminho do sentir

 

"Melancolia.

Nunca achei um sentimento ruim de se sentir. 

Depois do amor, acho que é um dos sentimentos mais profundos que experimento.

Talvez seja um abraço quentinho na tristeza.

Um reconhecer e respeitar sua existência.

Talvez seja um lugar seguro pra experimentar mais um pedacinho, enquanto se busca a totalidade da experiência humana.

E quem dá esse abraço na tristeza sabe quanta vida brota de lá.

Música clássica me transporta direto pro meu lugar seguro de experimentar a melancolia. 

Me ajuda a sentir, até esgotar. 

Sentir o coração rasgar.

Sentir o pesar por tantas mortes, simbólicas ou não.

Sentir o conforto num colo de delicadeza. 

Sentir dor e beleza coexistindo.

Sentir em um espaço onde tá tudo bem elas coexistirem e serem experimentadas ao mesmo tempo.

Um espaço que, quando bem utilizado, previne dores e danos maiores. 

Desde muito nova conheço esse espaço e tenho necessidade dele. Nunca tive noção do porque, mas sempre foi familiar e necessário estar ali de vez em quando.

O coração sentia, eu colocava as músicas pra tocar e eu ia. 

Tempo.

Paciência.

Deixar vir.

Acolher.

Confiança.

Entendimento.

A necessidade existia porque ali era um dos meus espaços de encontrar O infinito".


Eu simplesmente não sei existir sem música. É um "ambiente" seguro para experimentar tantos sentimentos! Por isso a partir de agora teremos playlists para moods! São baseadas no meu sentir mas acho que pode fazer sentido para alguém aí também! 

Como eu disse ali em cima, poder experimentar a melancolia é também integrar mais um pedacinho do todo que somos. Então a primeira playlist é instrumental, mais introspectiva e com músicas que me fazem experimentar esse sentimento de maneira saudável. Ela começa mais animadinha e vai ficando mais intensa. Use com consciência e vá até aonde você se sente ok com esse sentimento. 

Com isso não estou querendo dizer que a gente precise ouvir/sentir isso todos os dias, o tempo todo e nem normalizar estados depressivos. Só estou dando sugestões de como dar vasão e experimentar sentimentos inerentes à existência humana.

Vocês sabiam que muitas produções artísticas belíssimas e icônicas foram feitas por artistas que experimentavam a melancolia (muitas vezes tinham até depressão ou outros sofrimentos psíquicos)?! No Renascimento a melancolia começou a ser associada à criação artística e Freud também a associou com a arte em seu texto "Sobre a transitoriedade".

Com isso não quero normalizar transtornos psíquicos. Somente quero mostrar que a melancolia pode sim ser um terreno fértil se experimentada, se existir espaço para isso, se você domar e não domesticar esse sentimento.  Podemos sentir e experimentar a melancolia sem necessariamente deprimir e isso é completamente saudável. 

A Profa. Tania Vieira coloca que:

"A tristeza ou a depressão não são, portanto, quadros distintos de uma pretensa "normalidade" que se deva buscar restituir a todo custo. Elas podem ser o sinal de que um importante trabalho subjetivo está em marcha, operando a perda do objeto e implicando uma remodelagem do eu, à maneira do trabalho de luto" (Aqui, luto num sentido amplo, não só de perda de pessoas, mas um emprego, uma relação, etc.) A arte não nos poupa as impressões mais dolorosas, e no entanto pode ser vivida como um deleite superior, como nota Freud falando especialmente da tragédia, em "Além do princípio de prazer". Entre dor e deleite, de fato - entre luto e melancolia, se quisermos - se trama em nossa vida alguma "verdade" e alguma beleza."

Bora sentir!

Para acessar a playlist é só clicar AQUI.